Sim, é um Range Rover da Lego

…e é MEU!

Publicado em Land Rover | 2 Comentários

Ozzy e Metallica

Já foi há uns valentes anos que os Metallica abriram para Ozzy Osbourne, na altura da sua grande ascensão, na altura do Master of Puppets.
A influência dos Black Sabbath para os músicos dos Metallica é sobejamente conhecida.
Agora foi a vez deles convidarem o mestre para os acompanhar nuns temas dos BS, em Nova Iorque.

 

Publicado em Música | Publicar um comentário

Identificação de Land Rovers

Um artigo simples e interessante que reúne as várias pistas de como identificar correctamente um determinado modelo da Land Rover.

Foi retirado daqui -> http://www.roverparts.com/How_to_Identify_Rover.cfm

Essencial.

LAND ROVER IDENTIFICATION

How to Read
your Land Rover’s VIN Number

Land Rovers have been around since 1948 and, while the idea
behind their construction hasn’t changed, the models have.

As the years have rolled by, the model revisions have become
more frequent…and more subtle. When purchasing parts, it’s important
to know exactly what model Land Rover you own. Minor exterior
changes often signal major differences in how both parts and
accessories will fit your vehicle. 

We’ve produced this chart to help you determine which model
you own so you can order parts and accessories with
confidence. 

Land Rover Defender |
Range Rover
|
Land Rover Discovery
|
Land Rover Series

LAND
ROVER DEFENDER

Defender 90
(1994 -1997  – for North American Market)
 

This
3.9-liter V8 convertible marked Land Rover’s introduction of the Defender
90
to the U.S. market. It sports 2 doors and short
wheelbase of 90”. Land Rover stopped importing them
to these shores in 1997. 

Defender 90 Vehicle Identification
Numbers (V.I.N. #):

SALLDV228*RA- 1994 90 soft top manual
SALLD128*SA – 1995 90 soft top manual 
SALDV328 *SA- 1995 90 wagon manual
SALDV128*TA- 1995 90 soft top manual
SALDV328*TA- 1996 90 wagon manual
SALD224*VA – 1997 90 soft top auto
SALDV324*VA 1997 90 wagon auto

 

Defender 90 Gearbox:

(Through mid- ’94, 90) LT77S manual 
61A00001 5 spd. V8 w/oil cooler  

(mid-`94-`95, 90) R380 manual, 5 spd. V8 w/oil
cooler  

(’97, 90) Automatic

Defender 90 Transfer Case:  
 

LT230T-32D00001 (90) 

Defender 90 Engine Identification::
 

Displ. Number  Comp. Ratio App. Years
3.9 29G 9.35:1 1992 manual
3.9 29G 9.35:1 1994 manual
3.9 29G 9.35:1  1995 manual
4.0 50D 9.35:1  1996 manual
4.0 50D 9.35:1  1997 auto

 

Defender 110
(1993 – for North American Market) 

 The
110
Defender
was a Limited Edition, 5 door station wagon with
only 500 "officially" ever sold in the United States. 110 refers to its
110” long wheelbase.

Defender 110 Vehicle Identification Numbers
(V.I.N. #):  

SALLD128*PA    – 1993 110
manual  

Defender 110 Gearbox: 

(1993, 110) LT77S manual  61A00001 5 spd. V8
w/oil cooler

Defender 110 Transfer Case:  

LT230T-22D00001 (110) Auto ZF 4- spd.

LAND
ROVER DISCOVERY

Discovery 1 (1994
– mid 1999)

The
ever-popular Discovery
model

was introduced here in the States in 1994. They are easily
distinguished by the unusual raised roof  with alpine windows
and roof
rack. And, the top of the taillight aligns with the top of the license
plate lamp.

Discovery I Vehicle Identification Numbers
(V.I.N. #):
 

SALJY128*RA** – 1994 manual  
SALJY124*RA** – 1994 auto
SALJY128*SA** – 1995 manual  
SALJY124*SA** – 1995 auto
SALJY128*TA** – 1996 manual
SALJY124*TA** – 1996 auto  
SALJY128*VA** – 1997 manual
SALJY124*VA** – 1997 auto  
SALJY128*WA** – 1998 manual  
SALJY124*WA** – 1998 auto
SALJY124*XA** – 1999 auto

Discovery I Gearbox: 

(1994-99) R380 manual 53A00001 5 spd.; ZF 4-spd. (no
prefix) auto.

Discovery I Transfer Case: 

(1994-99) LT230T  28D00001

Discovery I Engine Identification:  

Displ.  Number  Comp. Ratio  App. Years
3.9 35D 9.35:1 1994 manual
3.9 36D 9.35:1 1994 auto
3.9 35D 9.35:1 1995 manual  
3.9 36D 9.35:1 1995 auto  
4.0 50D 9.35:1 1996 manual  
4.0 50D 9.35:1  1996-99 auto

 

Discovery Series II
(mid 1999 – 2003)

Discovery
Series II
made its debut mid 1999.  Although 85% of
the Series II is different from its predecessor, the differences are
very subtle from the outside.  The most obvious change is the
elevated position of the taillights  – on the Series II the
bottom of the taillight lines up with the top of the license plate
lamp.  It also sports the Discovery Series II logo on back
under the license plate.

Discovery Series II Vehicle Identification
Numbers (V.I.N. #):  

SALTY124*XA** – 1999 auto
SALTY124*YA** – 2000 auto

Discovery Series II Gearbox: 

(1999-00) 69A.

Discovery Series II Transfer Case:

 (1999-00) 42D

Discovery Series II Engine Identification:
 

Displ. Number  Comp. Ratio App. Years
4.0 56D 9.35:1 1999-00 auto

When Shopping On-line look for the
Model code of D2  for parts that will fit
your vehicle.


RANGE ROVER

Range Rover Classic 
– Grey Market (1970 – 1986)

The Range
Rover Classic
debuted the same year as Atlantic British – in
1970.  Any model pre-dating 1987 in the United States is
considered a "grey market" Range Rover, as they were not imported by
Land Rover until that year. If your Range Rover has 2 doors, a
manual transmission or a carbureted engine, it’s a Grey
Market vehicle.

Range
Rover Classic  – Short Wheel Base 
(SWB) (1987 – 1995) 

The Short
Wheelbase model carried through from ’87 to ’95, and the easiest way to
distinguish a “Classic” from a new model (4.0/4.6
Range Rover, or
2003
Range Rover 4.4
) is at the roof line.  If it has
rain gutters, it’s a Classic.  (See pictures for
dimensions.)

When Shopping On-line look
for the Model code of RC for parts that will fit
your vehicle. A small number of parts will only fit the Long Wheel Base
(LWB) vehicles and are indicated in the product title.

Range
Rover Classic  – Long Wheel Base 
(LWB) (1993 – 1995)

Long
Wheelbase model from ’93 to ’95.  (See pictures for
dimensions.)

NOTE: When Shopping On-line,
a small number of parts will only fit the Short Wheel Base (SWB)
vehicles and are indicated in the product title. There is also a
sub-vehicle – the Range Rover Classic 1995 model. While this vehicle
shares many of the same parts as all Classics, it also shares some
parts with the Discovery I vehicle.
 

Range
Rover Classic – County / Great Divide  /
Hunter 

Were all limited editions of this already
exclusive SUV and can be distinguished by the identifying badges on the
tailgate.

Notes on Range Rover
Classic vehicles:

Clues: 
"late" 1990 – Factory anti-roll bars introduced.
1990 – ABS Brakes added
1991 – front door hinges no longer visible.
1995 – airbags introduced.

Range Rover Classic Vehicle Identification Numbers
(V.I.N. #):  

SALHV114*HA  – 1987
SALHV114*JA – 1988
SALHV124*KA – 1989
SALHV124*LA – 1990
SALHV124*MA – 1991
SALHV124*NA – 1992
SALHV124*PA – 1993
SALHV124*RA – 1994
SALHV124*SA – 1995

Range Rover Classic
Gearbox:   

(1987-1994) ZF 4 spd. auto. 
(1995)  4HP-24 auto.

Range Rover Classic Transfer
Case:   

(1987-88) LT230 30D00001C
(1989-94) Borg-Warner  
(1995) 44-62-003 – pink label auto.

Range Rover Classic Engine
Identification:  

Displ.  Number Comp. Ratio App. Years
 
3.5 31D 8.13:1 1987-88
3.9 38D 8.12:1 1989-92
3.9 36D 9.35:1 1993-94  
4.2 40D 8.94:1 1993-95 LWB

 

Range Rover 4.0/4.6
(1995 – 2002)

The
new rounded body shape of the new-model Range Rover makes it easy to
distinguish from its somewhat boxy predecessor.  The plastic
molded bumpers are integrated into the design, as are the headlamps,
fog lamps and roof molding strips with trap doors were added for roof
rack mounting, eliminating the rain gutters. 

The major difference between 4.0 and 4.6
models is found under the hood, with the 4.6 (introduced in ’96)
referring to the larger 4.6 displacement engine. 

Range Rover 4.0SE Vehicle
Identification Numbers (V.I.N. #):  

SALL*****SA – 1995/96
SALPV124*VA – 1997  
SALPV124*WA – 1998  
SALPV124*XA – 1999
SALPV124*YA – 2000  

Range Rover 4.6HSE Vehicle
Identification Numbers (V.I.N. #):  

SALPV144*TA – 1996  
SALPV144*VA – 1997
SALPV144*WA – 1998
SALPV144*XA – 1999
SALPV144*YA  – 2000  

Range Rover 4.0/4.6 Engine
Identification:  

Displ. Number Comp. Ratio App. Years
 
4.0 42D 9.35:1 1995-00  
4.6 46D 9.35:1 1996-00


SERIES LAND ROVER

Now
considered collector’s items, the earliest model Land
Rover Series
were the toughest, most versatile vehicles on
and off the road.  Although the model number didn’t change,
the engine and wheelbase often did, as engineers had decided from the
beginning to identify only major production changes. 
Wheelbases for instance – measured from hub center to hub center –
changed three times on the Series I, so it’s important to know
the model year before ordering parts.  If you’re not sure of
the year, these clues may help.  One
word of caution however: many of these vehicles have been in-and-out of
garages over the course of their lives and often include retrofitted
parts mixed from model to model, so the clues should be considered
guidelines only. 


 

Series I
(1948-1958)


The original Series I had an 80" wheelbase and a 1.6-liter
displacement.  In 1952 the engine displacement increased to
2.0 liters.  In 1954, the wheelbase was extended to 86" and a
107" wheelbase pickup model was added.  In 1956, the wheelbase
changed again to 88" and to 109", and a 2.0-liter diesel engine was
offered as an option. 

 

 

Series
II  – Early (1958 thru 1960)
  

More
power and a new body style distinguished the Series II from its
rough-and-ready predecessor. The alteration from a flat fender
treatment to a curved look is the only major styling change here. The
new body style included sill panels to hide the chassis and the
exhaust. The engine was bumped up to a more powerful 2.25 liters, while
the wheelbase options remained at 88" and 109".
A Station Wagon version was introduced (the first SUV?)
sporting a full hard top with tropical roof, sliding windows, Alpine
glass, roof vent, rear door & full interior trim.
 
Clues:
Look for a steel front grille with three holes for airflow and chrome
rings around the headlamps.
 

Series
IIA  – Late (1961 to early 1971)


Series IIA’s are often referred to as "early" or "late"…the fall of
1967 being the dividing line.  The big change involved the
polarity of the electric system and a centrally located wiper mounted
on the dash. 

Clues:
1967 "late" – single wiper motor is added to center of the
dash.
1969 – headlights moved from the center radiator grille to the wings
and the
sill panels narrowed from 5" to 3".

"Transitional" IIA: Three holes for airflow and an almost rectangular
steel grille that looks like an upside-down "T".

Late Series IIA: Three holes for airflow and a large steel grille that
looks like a fat "+" sign.
 

Series III
(late 1971 to 1984)
 

To
keep the owners guessing, the Series IIA became the Series III in the
fall of 1971, with some "transitional" alterations along the
way. 
  
The new Series III sported a revised fascia with a modern black plastic
safety dash. The instruments were moved in front of
the driver, and a fully synchronized gearbox was introduced.

Clues:
Series III – a plastic radiator grille and dash.

How to Read
your Land Rover’s VIN Number

Publicado em Land Rover | Publicar um comentário

Saramago

Saramago

"O debate tinha chegado
ao fim. Dois sábios tinham arguido os seus pontos de vista
tão opostos como o fogo e a água. "a Pilar como
se dissesse água". Tinham brandido naipes de conceitos que
buscam há décadas em abismos de
milénios profundos. E jogaram-nos em palavras de infinita
precisão. Mais de 70 anos de um lado. Mais de 80 do outro: –
Não tenho 87. Tenho 86. Diz um grito de rispidez de quem
sabe que doze meses de vida são 365 milhões de
eternidades. Ou 366. "a Pilar, que não deixou que eu
morresse".
"Também eu estive
muito doente, de resto só esta semana é que
voltei a dar aulas" disse o outro. Falaram de Deus e de deus com a
eloquência dos conhecedores que já tinham
pressentido os fins de tudo e tinham regressado mais um bocadinho. " a
Pilar, os dias todos". Falaram da Palavra que ficou repetida em mil
livros e mil línguas. "a Pilar, que ainda não
havia nascido, e tanto tardou a chegar". Falaram da palavra que ficou e
da que foi perdida. Da palavra do senhor que não se ouviu e
da do Senhor que foi inventada. Falaram do princípio dos
tempos que os dois procuram como nómadas por desertos
ouvindo os murmúrios divinos que ambos julgam escutar. Um,
os silêncios. O outro, os cânticos. Discutiram tudo
isto com um reluzente brilhantismo apaixonado. Falaram sempre com uma
afagante cordialidade que contagiou. Que enterneceu. Que foi solene.
Que foi importante. Um apelo no fim. "Que a
Declaração Universal dos Direitos do Homem inclua
o direito à dissidência. E o direito à
Heresia. "Oh homem, você não pode ser herege,
não precisa disso se não acredita. Eu sim. Se
escrevesse isso seria herege". Disse, defendendo as imagens e
interpretações que vão adaptando o bem
e o mal divino à vontade humana. "Mas quem é que
vos deu o direito para alterar…para interpretar a
Bíblia". E acabou. Infelizmente. Carreira das Neves o
Catedrático franciscano foi o primeiro a levantar-se e a
chegar-se a Saramago (ainda sentado) e num longo afago mascarado de
aperto de mão prometeu uma ida a Lanzerote. "Qualquer dia".
"Isso enchia-me de felicidade" Disse Saramago abrindo mais um sorriso
delimitando infinitos pactos de entendimento numa arca de
alianças eternas dos homens de boa vontade. Eu fiquei aos 62
anos subitamente cheio de vontade de chorar e de gratidão.
Porque vivo no país de Saramago que tem como
pátria a minha língua. Porque viajo com ele em
jangadas de pedra que cruzam atlânticos e em passarolas que
passam por cima da profunda maldade dos banais. Porque saltito pelas
cortes de reis passados e impérios futuros montado no
elefante mágico que ele nos deu para impressionarmos o
universo. Porque sou também da pátria dele e sei
que ele há-de viver por muitos anos nas ruas da minha cidade
e ocasionalmente eu posso cruzar-me com ele, como a Joana Latino, minha
colega, disse que gostava de fazer quando o entrevistou em Lanzerote.
Porque ele vai continuar a ajudar-me a entender mais mundos que ainda
não foram descobertos e que ele já conhece,
porque viveu sempre na terra de amanhã onde eu nunca entrei.
E que mos vai dando um a um. E eu fico mais rico. Porque ele vai
continuar a começar os seus livros com
dedicatórias encantadas com os hinos à vida de
infinita beleza que só ele sabe compor. "a Pilar, a minha
casa". Porque "sábio é o que se contenta com o
espectáculo do mundo" como disse Ricardo Reis no ano da sua
morte. Porque só há um país no mundo
inteiro que tem um José Saramago e é o meu
país. E o dele. Graças a Deus."

Mário Crespo
Jornal de Notícias 26-10-2009

Publicado em Sociedade e Saude | Publicar um comentário

Novos anúncios Sammsung – com o Ozzy

E aqui a versão completa do primeiro:

Publicado em Não Interessa Mesmo | Publicar um comentário

Silence. I KILL YOU!!!!

Publicado em Não Interessa Mesmo | 1 Comentário

caixotes de lixo nos passeios dos peões

Há uns largos meses enviei um e-mail à administração dos Serviços Municipalizados de Loures a indagar sobre o deficiente planeamento e estudo no que respeita à localização dos caixotes de lixo nas vias públicas.

Rezava assim:
data    3 de Abril de 2009 19:20
assunto    Caixotes do Lixo impedem circulação de peões
   
Exmos. Srs. Administradores,

Sou residente no concelho de Loures e trabalhador no de Odivelas e são muitas as situações com que diariamente me deparo, situações para as quais não consigo entender as questões técnicas que as levaram a ser implementadas.
Refiro-me única e exclusivamente à colocação dos caixotes de lixo na via pública.
Percebo que muitos caixotes estarão colocados com o propósito de facilitar o seu manuseamento pelos técnicos de recolha, mas o que não percebo é porque é que se vêem violadas muitas regras básicas de segurança, nomeadamente e principalmente, as que têm a ver com a segurança dos peões.
Para me fazer entender melhor, anexo duas fotografias, e apenas duas, de dois locais em Loures, na cidade, que exemplificam extremamente bem onde eu quero chegar:
Foto1 – No final da subida da Av. Dr. António Carvalho de Figueiredo, do lado direito, colocado o caixote do lixo em frente à passadeira e a ocupar toda a largura do passeio, obrigando os peões a circular pela faixa de rodagem que já por si é perigosa no local.
Foto2 – No cruzamento da Rua 4 de Outubro com a Rua Manuel Francisco Soromenho, onde os caixotes do lixo foram colocados num dos triângulos do cruzamento onde não existe acesso a peões, e mesmo a existir acesso, seria um acesso da máxima perigosidade rodoviária.
Poderia relatar muitos outros casos, como na estrada nacional que atravessa a povoação de Sete Casas onde os passeios (já quase que enixistentes naquela via) são praticamente engolidos pelos caixotes de lixo, obrigando os peões a andarem na estrada.
Venho assim, solicitar que estudem melhor estas situações e que procedam rapidamente à recolocação dos caixotes do lixo nos concelhos de Loures e Odivelas.
Antecipadamente grato pela atenção dispensada,
Vitor Sérgio Santos

Escusado será dizer que até hoje não obtive qualquer resposta. Nem sequer uma mensagem a reclamar a recepção ou coisa do género. Mas eu sei porquê. É que eu tinha solicitado que me explicassem as razões técnicas que os levam a colocar os caixotes em locais que não lembra o diabo, em locais que comprometem completamente a segurança rodoviária, principalmente a dos peões, que na maioria das vezes têm que usar a estrada para circular.

É que eu conheço o senhor que se armava em engenheiro e mandava colocar os ditos caixotinhos. E garanto que estudo não havia nenhum! Nunca houve uma preocupação pelos peões. Pela segurança rodoviária. Nada. E há com cada caso que é de meter aflição.

Agora… não me responderem é o menos. O que é certo, é que a situação está a mudar, felizmente. Não sei nem me interessa se a minha mensagem foi tida em conta, o que interessa é que finalmente as coisas estão a mudar. Pelo menos em duas das situações reportadas. E, espero agora, com um mínimo de planeamento.

Vou estar atento

.

Publicado em Sociedade e Saude | Publicar um comentário

Toxicity (SOAD)

Uma versão espectacular. Com boas intérpretes, também 🙂

http://www.liveleak.com/e/316_1255319566
via Sup3rFM

Publicado em Música | Publicar um comentário

Rezar o padre nosso mas só até à parte do “venha a nós”

Falar mal disto e daquilo, queixar-se dos direitos, refilar, refilar…
Esquecer-se dos deveres? Isso já é fácil.
Estou farto. Todos se queixam, mas não os vejo a fazer isto (e aqui sai um gesto assim com os dedos indicador e polegar pegadinhos) para melhorar o que quer que seja. Nada! Quer cada um saber de si, e depois é dizer mal do sistema.
Publicado em Sociedade e Saude | Publicar um comentário

tá-se tudo a cagar

A culpa é do Sócrates… ou então não!
Vejamos o que nos retrata aqui António Feio, num caso real:

"Na semana passada fiz a minha primeira sessão de quimioterapia.
O meu Oncologista receitou-me um medicamento para os enjoos (SOS) que eu muito cautelosamente fui comprar à farmácia. Eram 13h30 e estava eu à porta da Farmácia para aviar a receita. Para espanto meu, percebo que a Farmácia fecha à hora de almoço. Ok. A solução era voltar uma hora mais tarde e assim o fiz.
Quando voltei pouco antes das 14h30 (hora de reabrir) esperei que a porta abrisse. Esperei e continuei a esperar até às 14h45. E lá chegou uma senhora a falar ao telemóvel que devia estar a tratar de um assunto muito importante porque a porta primeiro que abrisse ainda demorou mais uns cinco minutos.
Finalmente consegui entregar a receita à senhora da Farmácia. Confesso que o ar da senhora era no mínimo assustador. A receita (ainda a tenho comigo, assim como o recibo do remédio) tinha escrito METOCLOPRAMIDE.
Paguei e vim-me embora.
Durante esse dia e os seguintes, os tais sintomas de enjoos e náuseas provocados pela quimioterapia deitaram-me completamente abaixo. Fui mesmo obrigado a cancelar os espectáculos que tinha a norte do País.
Na sexta-feira fui ter com o meu oncologista para lhe pedir qualquer coisa que me aliviasse o mal estar.. Ele assim o fez e receitou-me um outro remédio que comecei a tomar logo e que rapidamente começou a fazer efeito. No Sábado, Domingo e Segunda, voltei a sentir-me bem.
Hoje fui novamente ao Hospital para fazer a segunda sessão de quimioterapia e, qual não é o meu espanto, quando falava do meu estado de má disposição da semana passada e mostrava os comprimidos que andava a tomar, quando percebi que o remédio que eu andava a tomar para os enjoos não era para os enjoos mas sim para a Diabetes. Em vez do tal METOCLOPRAMIDE, estava a tomar METFORMINA.
A senhora da Farmácia tinha-me, pura e simplesmente, dado um medicamento errado.
Não só passei vários dias a tomar um remédio que não me aliviava, como ainda por cima, me diminuía os níveis de açúcar no sangue!!!
Podia só ter tido um ataque de hipoglicemia.
Este texto é só um desabafo.
Agora saiam da frente que eu vou ali abaixo “TRATAR DA SAÚDE” à senhora da Farmácia. Ou não fosse hoje o DIA MUNDIAL DA SAÚDE (LOL)"
Parece uma "Conversa da Treta" mas foi de verdade! Dá para acreditar? Como é possível existir pessoas com tamanha incapacidade para o bom desempenho das suas funções profissionais? Em lugares como este não é suposto estar alguém de idoneidade comprovada para a função? Assim… não!!!! Sempre ouvi dizer que: – "com a saúde não se brinca"

Publicado em Sociedade e Saude | 1 Comentário